segunda-feira, 29 de fevereiro de 2016

Retomando... com Pedro Bandeira

Olá caros(as) leitores(as), 

Após a chegada de meu segundo filho, o Henrique, hoje com 2 anos e 8 meses, estive ausente deste blog. Mas, ele nunca foi esquecido...

Mas, após ter sido "instigada" por minha amiga Danielle Espezim, cá estou eu novamente. E mais uma vez na tentativa de que esta não venha a ser mais uma postagem eventual, pois compartilhar minhas expeiências e as de meus filhos com a literatura infantil é uma das ativdades que mais gosto de realizar.

Pois bem, hoje vou comentar sobre mais um livro do Pedro Bandeira: A Hora do Desconto.

 



Tem uma estrutura bastante parecida com o Fábulas Palpitadas, já citado aqui no blog. É constituído por textos curtos, que apresentam fábulas recontadas por Bandeira por meio de versos. E, ao final de cada texto, há comentários do autor sobre as fábulas, que podem ser questionamentos, citações bem-humoradas ou sugestões para a mudança do final da história.


Sofia adora este livro, tanto quanto adora o Fábulas Palpitadas. Várias vezes, antes de dormir (e quando Henrique já dormiu), lemos juntas um ou mais textos: ela lê um e eu leio outro, e uma escolhe o texto da outra. Momentos ímpares e de orgulho desta mãe ao ouvir sua filha lendo - e interpretando - divinamente, envolvendo-se com a narrativa, refletindo a partir dela... Além de estreitar nossos laços afetivos, nossa relação de cumplicidade, as experiências de leitura da Sofia contribuíram muito para sua constituição de leitora de textos e do mundo que a cerca. Como agora Sofia é uma "grande" leitora, temos vivido riquíssimas experiências de leitura dela para o irmão Henrique. Mas, esta é uma história para outro post...

Grande abraço,
Daniela.

domingo, 4 de maio de 2014

Literalmente, essa leitura nos leva a outros lugares!

Olá,

Nossa última aquisição foi o livro Cinco Histórias de Cinco Continentes, da Cia das Letrinhas.




O livro é composto por cinco histórias curtas com lindas ilustrações, que retratam a cultura dos diferentes continentes.




Além da oportunidade de conhecer diferentes culturas por meio da literatura, chamou a atenção da Sofia a grafia de alguns nomes, como Ivatchka. Aproveitei a oportunidade para explicar a ela porque o nome era tão diferente dos nossos e difícil de pronunciar. Ela, inclusive, pronunciava quase sempre ao contrário: Ivaktcha, o que foi motivo de risadas...


Boa leitura!
Daniela.

sexta-feira, 25 de abril de 2014

Histórias de Carolina - em quadrinhos

Olá caros(as) leitores(as)!

Hoje vou escrever sobre um livro que a Sofia possui desde 2012, mas que apenas há alguns meses ela passou a lê-lo com mais frequência. Trata-se de Histórias de Carolina, que compramos na 22a Bienal Internacional do Livro de São Paulo, onde inclusive ganhamos o autógrafo do autor Ziraldo!


Pela foto vocês podem ver que fiquei mais feliz até do que a própria Sofia, parecia que o autógrafo era pra mim!


Mas, enfim, o livro apresenta histórias da protagonista Carolina, uma menina brincalhona e esperta, e seus amigos da turma do Menino Maluquinho. São histórias em quadrinhos que ressaltam vivências e brincadeiras da infância, assim como a preservação da natureza. Sofia demorou um pouco para ler sozinha, pois as histórias têm textos mais curtos e diretos que exigem uma certa experiência de leitura. Mas, atualmente interage super bem com as histórias e suas imagens.


Boa leitura!

terça-feira, 5 de março de 2013

O nabo gigante é apenas um "porém" dessa história

Olá,

Hoje trago um comentário sobre o livro O nabo gigante que a Sofia ganhou de sua querida tia Adriana no último Natal. Trata-se de um clássico da literatura infantil de autoria de Alexis Tolstoi e com ilustrações de Niamh Sharkey.

Como apresentei no título da postagem, o nabo gigante é o pretexto do texto, que é muito mais rico do que o título nos faz pensar. A história se desenvolve em volta de dois velhinhos que precisam arrancar um nabo gigante, mas para isso contarão com o apoio de vários personagens, e termina com um final surpreendente.


Sofia adorou o livro logo na primeira vez! Especialmente os momentos em que o texto proporciona a repetição de algumas sequências - inclusive na ordem inversa. Creio que isso a desafiou! Na segunda leitura, que foi com o pai dela, ele se surpreendeu com o que ela recordava da história. Claro que, em geral, crianças nessa idade têm mesmo uma memória muito boa (se tiverem tido vivências que as levem a isso), mas as lembranças foram mais fortes devido à estrutura do texto.

Assim, trata-se de um texto riquíssimo: cheio de repetições, trabalha com ordenação, numeração, contagem,  características dos personagens, memória... Enfim, um texto que possibilita, além do prazer da leitura e do desenvolvimento do senso estético e literário, a aprendizagem de vários conceitos importantes para as crianças.

Um abraço e até a próxima!

terça-feira, 26 de fevereiro de 2013

Primeira leitura completa!

Olá pessoal!

Hoje faço uma postagem especial, pois ontem a noite a Sofia nos presenteou (a mim e ao Henrique - novo membro da nossa família - 25 semanas de gravidez) com a leitura de uma história por inteiro. Ela está lendo já há alguns meses, mas apenas pequenos textos. Uma história inteira ainda era difícil e cansativo para ela. Mas, ontem, foi ela mesma quem me pediu para ser a leitora da história Fantasma existe?. 




Trata-se de um  livro de autoria de Ruth Rocha e Dora Lorch que apresenta o texto em CAIXA ALTA, tipo de letra que a Sofia aprendeu a ler primeiro.


Assim, os últimos livros que tenho adquirido têm texto em CAIXA ALTA, para incentivar ainda mais a minha pequena.

Quanto ao tema do livro, ele foi escolhido propositalmente devido aos medos que a Sofia tem manifestado ultimamente (do escuro, de bichos, de perder os pais...). Além de ter conseguido fazer a leitura, ela conseguiu compreender a história (isso é imprescindível, pois ler não é apenas saber decodificar as letras e fonemas, certo?). E creio que a narrativa irá ajudá-la a lidar com seus medos.

Enfim, foi um momento ótimo! Acompanhar um filho na aprendizagem da leitura (de textos e do mundo) é   uma experiência única e muito especial.

Um abraço e até mais!

quarta-feira, 20 de fevereiro de 2013

Os gatos de Ágata - Em 3D!

Olá pessoal!

O comentário de hoje é dedicado a minha amiga Flávia Matuzawa, que me cobrou mais dicas no Blog... De fato, tenho andado meio ausente... Então, vamos lá! E que meus amigos e leitores continuem me cobrando mesmo (rsrsrsrs).

Os gatos de Ágata é um livro que foi comprado na Bienal do Livro de São Paulo, no ano passado, onde passamos quase o dia inteiro. E é o primeiro livro da Sofia em 3D! Por isso, vem acompanhado por um óculos.

Além das imagens em 3D, a história do livro é interessante pelo jogo de palavras que proporciona. Assim, é excelente para crianças em processo de alfabetização (ou seja, de 4 a 8 anos, aproximadamente). O texto apresenta uma brincadeira com os nomes dos gatos de Ágata e as ações e localização de cada um deles.


Um abraço a todos e um ótimo ano de leituras!

Daniela.

segunda-feira, 5 de novembro de 2012

Chapeuzinho que não é a vermelho

Olá!

Hoje vou escrever sobre a história da Chapeuzinho que não é a vermelho, mas sim amarelo. Trata-se da interessante história de Chico Buarque (sim, ele não escreve apenas músicas...) chamada Chapeuzinho Amarelo.

O título já nos faz uma provocação e nos intriga devido à relação com a clássica e conhecida personagem Chapeuzinho Vermelho. O que será que as "chapeuzinhos" têm em comum?... Não teria graça se eu respondesse, não é mesmo? Deixarei essa interpretação à você, caro(a) leitor(a), ou a você e seu(ua) filho(a), a você e seus(uas) alunos(as)...

Chapeuzinho Amarelo é uma história sobre medos e atitudes, sobre o medo do próprio medo, mas também sobre como enfrentá-los e superá-los. Com uma linguagem poética o autor desconstrói a tradicional imagem do lobo e ainda faz com que as crianças "brinquem" com as letras e sílabas que formam essa palavra. E as ilustrações são de Ziraldo.



Sofia adora essa história, tanto que já perdi as contas de quantas vezes a li para ela. De vez em quando surpreendo-a "recitando" alguns dos versos e citando os medos da Chapeuzinho Amarelo, quando não os compara com os dela. Narrativas possibilitam isso: recriações, comparações, estabelecer relações, sonhar, imaginar... atitudes especificamente humanas! Vamos narrar, contar e ler narrativas para nossas crianças!

Para quem tiver interesse em uma análise mais aprofundada do texto, indico este espaço: http://www.recantodasletras.com.br/resenhasdelivros/1223432.

Um abraço e até a próxima!
Daniela.